Grandes nomes do design nacional e internacional deixaram a sua marca registrada em trabalhos que marcaram época, como Aloísio Magalhães, criador dos logotipos de diversas e importantes empresas.

Designers como Hans Donner, Alexandre Wollner e João Carlos Cauduro se consagraram como grandes nomes de sucesso do design nacional.

Já no cenário internacional, há nomes consagrados como o da designer gráfica Jessica Walsh Stefan Sagmeister, que uniram seus talentos para formar a sociedade Sagmeister & Walsh.

Ou nomes que marcaram a história do design mundial, como Walter Gropius, Jan Tschichold e Paul Rand, podem ser citados como designers bem-sucedidos e de muito talento.

Mas o que esses grandes nomes nacionais e internacionais do passado e do presente têm em comum para a conquista do sucesso? Somente o talento de cada um deles foi o suficiente para conseguirem trilhar uma carreira bem-sucedida?

Para começar a responder a essas perguntas, vamos fazer uma rápida comparação com alguns nomes do design que foram citados neste post lembrando que um dia cada um deles foi um designer iniciante.

Origens e histórias

Walter Gropius foi um arquiteto alemão renomado e considerado um dos maiores nomes da arquitetura do século XX. Batalhou durante anos e construiu uma carreira de sucesso com muita dedicação, estudo e trabalho árduo.

Paul Rand foi um dos maiores nomes do design norte-americano e batalhou para se estabelecer no mercado mais competitivo do mundo. Escreveu o livro Thoughts on Design, considerado uma bíblia do design gráfico nos dias de hoje e que serviu de escola para a norte-americana Jessica Walsh, diretora de arte e ilustradora de renome, dona do seu próprio negócio.

Jan Tschichold foi um dos maiores nomes do design gráfico que o mundo teve a honra de conhecer. Ao longo de muitos anos de trabalho e dedicação, Tschichold lecionou e escreveu livros sobre o assunto até um dia ser considerado uma das maiores fontes de inspiração da tipografia do século passado.

Se observarmos bem, podemos perceber que o trabalho desses grandes profissionais é abrangente, com aspectos técnicos e psicológicos que se ramificam de forma diferente, mas que no final são frutos do trabalho e dedicação naquilo que escolheram fazer.

Podemos dizer que é impossível mensurar com exatidão onde termina a parte técnica e começa o talento de um designer bem-sucedido, isso porque não existe uma unidade de medida para isso.

Todavia, podemos afirmar que um designer bem-sucedido no mercado de trabalho não se estabelece sem conhecimento e talento, fruto de muito estudo, dedicação e desejo de se aperfeiçoar cada vez mais.

Muitos profissionais renomados nos dias de hoje começaram e continuam atuando no mercado de trabalho como um designer autônomo, seja um freelancer ou dono do seu próprio negócio.

Muitos desses profissionais foram impulsionados pelo empreendedorismo publicitário em alta em redes sociais e nos veículos de comunicação impresso em revistas, jornais e no mercado editorial de um modo geral.

Contudo, o que fez cada um deles se destacar e driblar as barreiras que um designer iniciante enfrenta no início da carreira, foi a dedicação, o estudo, a vontade de progredir e de fazer um trabalho único.

O grande objetivo deste post é mostrar para o designer iniciante que as dificuldades de quem já esteve nessa posição e um dia se consagrou, como os nomes citados, pode ser tomado como exemplo para quem deseja se estabelecer.

É interessante se basear na história de quem já fez e deu certo e firmar bases sólidas desde o início da jornada.

Em vista disso, segue algumas dicas de designers consagrados para você que está iniciando manter-se no mercado e conquistar clientes, saber cobrar um preço justo e conseguir divulgar o seu trabalho.

Ainda que você seja um profissional autônomo formalizado, como um designer PJ (Pessoa Jurídica), freelancer ou com um contrato de trabalho formal em agência de publicidade e marketing, observe as dicas a seguir e busque sintonizar o máximo possível com elas.

Jessica Walsh

“Quando se é jovem e iniciante no mundo do designer, é mais fácil arriscar diante das responsabilidades da vida. Nesta fase, não se preocupe em ganhar rios de dinheiro, mas mantenha-se focado em descobrir o que você realmente ama fazer e tire o máximo de proveito disso.”

“Encontre outros designers profissionais e agências que você admira e tenha-os como escola, buscando aprender o máximo com o legado desses profissionais. Esse tipo de experiência vale muito e pode ser mais importante do que a educação formal em muitos casos.”

Stefan Sagmeister

“Um designer iniciante deve ser capacitado para conseguir fazer o que a maior parte dos designer dizem não ser importante: manter as coisas com uma aparência perfeccionista. No mundo do design encontramos pessoas que dominam as atuais ferramentas digitais, mas poucas delas sabem de fato trabalhar formas como um verdadeiro designer.”

Maria Giudice

“A cultura tecnológica dos dias de hoje cada vez mais está se tornando uma commoditie, mas a experiência no design não pode ser commoditizada.”

“Um designer que está iniciando ou que já tem história para contar, deve ser capaz de mostrar clareza vinda de um mundo complexo, da mesma forma como diz o velho ditado: mais é menos! Esse profissional deve ser capaz de elaborar conceitos claros que transformem componentes e limitações em um trabalho final que supera todas expectativas do público.”